Resignado

Pouco escrevi nos últimos tempos a respeito das legislativas, antecipando um pouco o que acabou por acontecer. Mais uma vez o povo manda para trás das costas o passado e continua a acreditar na verborreira da promessa, do sorriso fácil e da vitimização dócil, que transformou um verdadeiro tigre no gato das botas do Schreck, aquele que timidamente segurava o chapéu e mostrava os olhinhos ternos para aparentar vulnerabilidade.

Afinal o transformismo compensou, resta ver até quando mas algumas cabeças pensantes já falam de eleições antecipadas (e mais uma fortuna gasta pelo Estado a alimentar as máquinas da propaganda) . A vergonha do costume.

Já há uns meses tinha sentido o mesmo, quando um senhor de bigode manipulou as regras democráticas do meu clube e, no meio de tanta vergonha, recebeu mais de 90% dos votos. Apesar do Benfica não ser o Estado, o fenónemo eleitoral tem paralelismos e, mais uma vez, esqueceu-se o passado e acreditou-se no futuro.

É esta facilidade de perdoar e falta de capacidade de criticar, exigir e avaliar que nos levam, passo a passo, para um país divorciado dos valores e onde cada um se orienta o melhor que pode e sabe, porque quem manda dá o mote. Até tenho receio do estado deespírito que se seguirá à resignação...

Comments

Anonymous said…
Acho curiosa a tua análise mas estou mais interessado em perceber como é que cada um dos partidos vai assumir a responsabilidade que foi dada pelo povo Português.

Ao contrário da tua perspectiva 'A La Velho do Restelo' analiso esta votação como uma clara demonstração do que os Portugueses são inteligentes e votaram em consciência. Maturidade democrática.

Sabem quem querem que os governe mas sabem que não querem que continuem a governar da mesma forma que nos últimos quatro anos e meio. Sabem também quem não querem que os governe. E sabem também que outros podem melhor expressar e responder, neste momento, pelo seu descontentamento e pelas suas ansiedades.

Ao contrário do teu clube e já agora de todos os outros, após uma eleição legislativa existe um órgão de soberania - o parlamento - que sai reforçado na sua importância, onde será necessário encontrar os equilíbrios possíveis e os desequilíbrios naturais.
Vamos ver como cada um dos partidos empossados dos respectivos 'novos pesos relativos' correspondem às expectativas que os Portugueses neles depositaram e qual a sua verdadeira capacidade de responder aos desafios que o País exige.

E se necessário teremos de novo eleições. Pois a democracia é dar 'voz' aos cidadãos de decidirem como querem ser governados. Os que não quiserem falar optam que outros por eles decidam. Estão no seu livre direito.

Abraço democrático.

MDF

Popular posts from this blog

Escolhas

O virar da página