Posts

Showing posts from February, 2007

Principe Carlos e a cruzada contra a caloria

Image
Hoje ouvi na rádio que o Principe Carlos de Inglaterra propos fechar o MacDonalds como medida para combater a obesidade infantil. Soube também que no país de sua majestade há uma criança de 8 anos que pesa 90 kg, o que me levou a pensar que adjectivo deverá ser utilizado nestas situações já que obeso provavelmente não chega.

Acredito que o culto do Fast-food não seja amigo de quem luta contra as calorias mas, seguindo esta medida, irão fechar os Pizza-Huts, Pans & Company, Joshua's Shoarma, Hagen Dazs, Baskins and Robbins e acabar com as pipocas no cinema. Depois proibem que se venda o oleo para fritar batatas, as bolachas, os chocolates, as gomas e tudo o que é doce e passamos a ter uma vida muito mais insípida.

É uma solução extrema que não vai resolver o problema. As novas gerações estão a pagar a factura da internet, das consolas e do home cinema. Já não vejo miudos a jogar futebol na rua, a brincar à apanhada ou a subir às arvores. A cultura do sedentarismo começa cada vez …

Dream Theater - Score

Image
Perdi a cabeça este fim de semana e gastei 30€ num DVD dos 20 anos de carreira desta banda, mas depois de umas horas achei-os muito bem empregues. É fantástico ver e ouvir este quinteto, mesmo depois de 2 décadas de carreira e de mais de uma dezena de registos originais e ao vivo continuam a supreender. São considerados uma banda de Metal Progressivo mas em certas faixas o lado rock vem ao de cima, apesar de noutras os sons mais "hard" fazem lembrar Metallica ou Ramstein.

Mike Portnoy está melhor que sempre, é para mim o melhor baterista a tocar na actualidade. A simplicidade da sua técnica e a facilidade de interpretação transformam uma sonoridade na percussão em algo estupidamente complexo.

John Myung é o viola baixo e, provavelmente, o musico mais talentoso que vi tocar este instrumento. Quem vê Dream Theater pela primeira vez nunca mais esquece este chinês que trata as 6 cordas do baixo com um à-vontade que surpreende.

John Petrucci é um guitarrista de excelência, com algum…

Vira o disco e toca o mesmo

Image
Hoje o Alberto João Jardim demitiu-se. Líder incontestado do governo regional da Madeira, no poder desde que Portugal voltou a ser uma democracia, Alberto João bateu com a porta indignado com a nova Lei das Finanças Regionais publicada hoje em Diário da Républica, que representa a diminuição das transferências da União Europeia e o controle do endividamento das regiões autónomas.

No entanto, num movimento digno de um contorcionista de circo, Alberto João anuncia a sua recandidatura para as eleições regionais que irão ser convocadas depois da sua demissão. Ou seja, o principal candidato à sua sucessão, é ele mesmo. No mínimo estranho, é como se a vida desse uma volta de 360 graus.

Se por um lado se sente injustiçado pelo mudar das regras a meio de uma legislatura, com o argumento que o seu programa tem quatro anos e assentava num fluxo financeiro que vai acabar, por outro é notória a falta de capacidade da Madeira em gerar riqueza que sustente a despesas que o Governo Regional tem. Lá se…

Estou a precisar de férias.

Image
Faz este fim de semana um ano que estava a caminho de Malta para uma escapadinha carnavalesca a dois. Destino previlegiado para ingleses, estava curioso sobre o que iria encontrar numa ilha que respira história.

Na memória ficou-me um centro histórico de La Valleta muito original, uma magnifíca varanda com vista para o Grande Porto e os passeios nas ruelas antigas sob um tímido sol de Fevereiro que teimava em aquecer os poucos turistas que por lá andavam.

Malta foi uma experiência diferente. Imaginem o que é misturar uma população meio berbére meio italiana, aqui e ali contrastando com gente loura de olhos claros - descendentes dos antigos cavaleiros de S. João - e regida por uma cultura 100% britânica, fruto de 150 anos de domínio inglês. Terra que teve em Corto Maltese o seu nativo mais conhecido, o arquipélago beneficiou da sua localização estratégica para ser disputado por todas as civilizações desde a pré-história, o que deixou marcas visiveis desde o tempo grego. O clima ameno, a …

Referendar ou não referendar, eis a questão...

Image
Na ressaca de mais um flop democrático, traduzido em 58% de abstenção, cada vez gosto menos de referendos. O custo que o Estado teve numa consulta à população para que o governo possa legitimar uma decisão menos popular é, no mínimo, passar um atestado de incompetência aos deputados e ao poder político no geral.

Nas eleições legislativas os partidos submetem-se a escrutíneo e elege-se o governo para os próximos quatro anos. Nessa altura temos oportunidade de penalizar, ou reiterar a confiança do partido no poder,, analisando a sua performance face ao que era espectável.

Com esta permissa, entendo que a lei do aborto devia ser discutida em Assembleia da Républica e votada lá, sem recurso a este “lavar de mãos” de Pôncio Pilatos, que apenas existiu para que o Partido Socialista não seja crucificado nas próximas eleições.
Ao aprovar a noa lei o Governo vai defender que fez cumprir a vontade dos portugueses, o que é verdade, já que 59% dos que votaram disseram SIM. Por outro lado, os defenso…

Ghost Town

Image
Este fim de semana estive pelo Algarve. Depois de uma muito atribulada viagem, que só por si dava um tema de conversa, lá cheguei a Vilamoura onde a minha cara metade tinha um compromisso profissional sábado.

Gosto muito da paisagem algarvia, dos laranjais do interior, da serra com os regatos de água e a fraca densidade habitacional. No entanto, o que me surpreendeu foi a ausência de pessoas num suposto centro de turismo de excelência do Algarve. Apesar do fim de semana ter algum movimento, passear pelas ruas de Vilamoura em Fevereiro assemelha-se a caminhar pelas ruas da Baixa Pombalina às 22.00: um autêntico deserto, ao nível das cidades fantasmo dos Westerns série B.

Será que o sindroma da construção a qualquer preço está a pagar a factura? Ou o elevado movimento de verão compensa a inactividade dos outros 9 meses?
Para bem da economia da região, espero que as hordas que invadem o Algarve continuem por muitos anos, senão daqui a uns anos iremos ter umas Ghost Towns ao nível do que o J…

Há dias assim...

Image
Detesto ser enganado. No entanto às vezes acontece, especialmente por excesso de confiança no meu interlocutor. O mau disto é que as injustiças têm sempre um sabor amargo, mesmo quando as conseguimos ultrapassar.

A semana não podia ter começado pior, há alturas que apetece fazer Ctrl+Alt+Del e recomeçar o dia de novo, mas isto da informática não se aplica ao mundo real. Por isso é levantar o queixo e não mandar a toalha ao chão, sorrir nos olhos de quem nos atinge e nunca perder a cara. Há ciclos que se fecham sem muitas vezes estarmos à espera mas há que encarar o próximo com pensamento positivo.

Como dizem os Anglo-Saxónicos, "Fool me once, shame on you; Fool me twice, shame no me."

V de Vingança

Image
Neste fim de semana voltei a ver este filme, uma adaptação de uma BD de culto dos anos 80, onde a influência de 1984 (George Orwell) e do "Big Brother" é notória.

A Inglaterra está sob domínio de um tirano, à semelhança dos sistemas totalitários que assolaram a Europa nas décadas de 30 e 40. A nossa personagem, de nome V, combate o governo fascista, assumindo a forma de Guy Fawkes, um nobre inglês católico que foi condenado à morte por tentar assassiinar o rei James I, protestante, e restaurar a religião católica no país, no que ficou conhecida como "A traição da pólvora". É nesse feriado que V decide tentar a façanha que Guy Fawkes não conseguiu: destruir o Parlamento Inglês e acordar o povo inglês para que a democracia volte a reinar.

O filme é simplesmente cativante, com Natalie Portman assumindo o papel principal (bem mais velha do que aparece em Leon, o Profissional) e com um final surpreendente. Quando me lembro de V de Vingança, lembro-me de uma frase que me f…